Fale conosco pelo WhatsAppFale conosco pelo WhatsApp Endoscopia e ecoendoscopia: Qual diferença? - Clínica Gastro RP

Blog

5 de fevereiro de 2021

Qual é a diferença entre endoscopia e ecoendoscopia?

Endoscopia e ecoendoscopia são exames distintos e solicitados para suspeitas médicas diferentes, sempre visando o melhor diagnóstico ao paciente

Médico segura máquina para realizar exames - endoscopia e ecoendoscopia

Imagem: Shutterstock

Apesar de possuírem nomenclatura semelhante e algumas características parecidas no que se refere à execução, a endoscopia e ecoendoscopia são exames distintos e solicitados para casos específicos. Portanto, os procedimentos não podem ser considerados equivalentes em uma investigação médica.

A definição quanto à realização da endoscopia ou ecoendoscopia deve ser avaliada pelo médico responsável por acompanhar a saúde do paciente, que leva em consideração as particularidades apresentadas pelo indivíduo e as informações obtidas na anamnese clínica.

Para que serve o exame de endoscopia e o de ecoendoscopia?

A endoscopia digestiva alta, também chamada de esofagogastroduodenoscopia, é o exame pelo qual é possível visualizar a mucosa das estruturas do trato digestivo superior, como esôfago, estômago e as primeiras porções do duodeno.

Para realização do exame, utiliza-se um aparelho chamado endoscópio, que consiste em um cano maleável fino com uma câmera e luz acopladas na ponta. Essa estrutura permite a visualização interna do sistema digestório.

O procedimento é recomendado para identificar patologias relacionadas ao estômago, esôfago ou duodeno — como inflamação na mucosa, refluxo gástrico, gastrites, neoplasias e outras condições.

Já a ecoendoscopia, também chamada de ultrassonografia endoscópica, consiste em um exame que une um ultrassom ao endoscópio, viabilizando uma investigação detalhada e específica da parede e dos órgãos circunjacentes ao trato digestivo superior.

Dessa forma, por meio da ecoendoscopia, é possível visualizar estruturas adjacentes como gânglios linfáticos, vasos sanguíneos, mediastino, pulmões, fígado, vesícula biliar, vias biliares, lesões subepiteliais e pâncreas.

A ecoendoscopia também pode ser de dois tipos, alta, na qual a investigação é iniciada pela inserção do endoscópio pela boca, e baixa, na qual a investigação é realizada pelo reto e tem como objetivo a investigação de órgãos pélvicos.

Quando é indicada a endoscopia e o de ecoendoscopia?

As indicações da endoscopia e ecoendoscopia são diferentes, de forma que o especialista definirá qual o melhor exame de acordo com as suspeitas do caso e o histórico do paciente.

No caso da endoscopia, o exame é solicitado para investigar sintomas que podem ter relação com diferentes patologias do trato digestivo alto. Entre os sinais que motivam a investigação incluem-se:

  • Azia ou queimação estomacal;
  • Náuseas ou vômitos recorrentes, especialmente se houver a presença de sangue;
  • Fezes escurecidas;
  • Refluxo gástrico;
  • Anorexia ou perda significativa de peso;
  • Dor ou desconforto recorrente na região superior do abdômen;
  • Dificuldade, incômodos ou dores ao deglutir;
  • Sensação de comida presa na região do esterno;
  • Falta de apetite.

Esses sintomas motivam a realização da endoscopia e podem ter relação com quadros de gastrite, inflamação aguda ou crônica por h pylori, doenças do duodeno (celíaca) e lesões neoplásicas.

Já a ecoendoscopia é solicitada para outra gama de sintomas e suspeitas clínicas do especialista após anamnese, tais como:

  • Monitoramento de lesões subepiteliais de esôfago, estômago, duodeno e reto;
  • Avaliação do estadiamento de tumores de pulmão e do trato gastrointestinal;
  • Punção de linfonodos aumentados;
  • Diagnóstico de tumores neuroendócrinos;
  • Diagnóstico e punção de lesões císticas do pâncreas;
  • Verificação de microcálculos na via biliar e na vesícula biliar;
  • Diagnóstico e monitoramento de pancreatite crônica;
  • Avaliação de neoplasias de pâncreas e via biliar;
  • Suspeita de tumores de papila duodenal.

Frequentemente, a solicitação da ecoendoscopia ocorre após os achados da endoscopia, permitindo detalhar algumas informações e complementar a investigação médica.

Qual a preparação para os exames?

A endoscopia e ecoendoscopia alta têm preparos semelhantes, sendo que o paciente deve ficar de jejum de sólidos e líquidos como leite e café por 8 horas antes do exame e interromper o consumo de água até 4 horas antes.

O uso de medicamentos contínuos, como anticoagulantes e os indicados para controle de diabetes, exige acompanhamento médico prévio, pois eles costumam ser suspensos para realização do exame.

Utiliza-se uma sedação venosa para que o paciente durma durante a realização do exame e, ao término, um monitoramento de ao menos 30 minutos se faz necessário. Caso não haja reação, o paciente é liberado, mas deve evitar atividades de atenção no dia e ficar em repouso.

No caso da ecoendoscopia baixa, o preparo exige uma limpeza intestinal, como na colonoscopia. Nesses casos, o paciente deve receber uma dieta prévia para se preparar, e se atentar aos medicamentos que devem ser ingeridos nos dias anteriores ao exame.

Verifica-se assim que a endoscopia e ecoendoscopia são exames diferentes e que permitem achados médicos particulares.

Fontes:

Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva.

Blog